Clique nos planetas para ir direto para eles
Home > Sol > Netuno > Triton

Busca no site:

Peça já o seu e-mail (nome@astronomia.web.st) do Astronomia na Web, com Tecnologia do Google. Acesse o Formulário de Solicitação e garanta o seu.




Triton

triton

Netuno I

Triton ("TRY ton") é o sétimo dos satélites conhecidos de Netuno, e de longe o maior deles:

órbita:   354.760 km de Netuno
diâmetro: 2700 km
massa:    2,14 x 1022 kg

Descoberto por Lassell em 1846 somente algumas semanas a pós a descoberta de Netuno.

Na mitologia grega, Triton era um deus do mar, filho de Poseidon (Netuno); normalmente retratado como tendo o tronco e a cabeça de um homem e o rabo de um peixe.

Triton foi visitado apenas por uma espaçonave, a Voyager 2 em 25 AGO 1989. Quase tudo que sabemos sobre ela vem deste encontro.

A órbita de Triton é retrógrada. É a única grande lua a orbitar "de marcha-a-ré", as outras únicas luas com órbitas retrógradas são as luas de Jupiter, Ananke, Carme, Pasiphae e Sinope e a lua de Saturno, Phoebe, todas com menos de 1/10 do diâmetro de Triton. Triton pode não ter se condensado da Nebulosa Solar nesta configuração; ela deve ter se formado em outro lugar (talvez no Cinturão de Kuiper?) e depois ter sido capturada por Netuno (talvez envolvendo a com colisão com uma agora destroçada lua Netuniana). Um cenário de captura poderia se encaixar não somente na órbita incomum de Triton mas também na incomum órbita de Nereid e fornecer ainda a energia necessária para derreter e diferenciar o interior de Triton.

Devido à sua órbita retrógrada, as interações gravitacionais entre Netuno e Triton removem energia de Triton fazendo com que sua órbita baixe. Em algum futuro muito distante ela irá se partir (talvez formando um anel) ou colidirá com Netuno.

A incomum natureza da órbita de Triton, a semelhança, a grosso modo, das propriedades de Triton e Plutão, e a altamente excêntrica, natureza da órbita de Plutão, que cruza a de Netuno, sugere alguma conexão histórica entre eles. Exatamente qual poderia ser esta conexão atualmente é pura conjectura.

O eixo de rotação de Triton é também incomum, inclinada 157 graus em relação ao eixo de Netuno (que está inclinado 30 graus em relação ao plano da órbita de Netuno). Isto resulta numa orientação com respeito ao Sol parecido ao de Urano com as regiões polar e equatorial apontando alternadamente para o Sol. Isto provavelmente resulta em mudanças radicais de estação à medida que um pólo depois o outro se move para a luz solar. Durante o encontro com a Voyager 2, o pólo sul de Triton estava virado para o Sol.

A densidade de Triton (2.0) é ligeiramente maior que a das luas congeladas de Saturno (ex. Rhea). Triton tem provavelmente apenas 25% de gelo de água sendo o restante de material rochoso.

A Voyager descobriu que Triton tinha uma atmosfera, mesmo que muito tênue (em torno de 0,01 millibar), composta principalmente de nitrogênio com uma pequena quantidade de metano. Uma fina neblina se estende até 5-10 km.

A temperatura na superfície de triton é de apenas 34.5 K (-235°C, -391 F), tão frio quanto Plutão. Isto se deve em parte ao seu alto albedo (0,7 - 0,8) o que significa que muito pouco da luz solar é absorvida. Nesta temperatura o metano, o nitrogênio e o dióxido de carbono congelam.

Existem muito poucas crateras visíveis; a superfície é relativamente jovem. Quase todo o hemisfério sul é coberto por uma "calota de gelo" de itrogênio e metano congelado (direita).

Existem extensas cordilheiras e vales em padrões complexos por toda a superfície de Triton. Elas são provavelmente resultado de ciclos de songelamento/degelo.

A estrutura mais interessante (e totalmente inesperada) deste incomum e interessante mundo são os vulcões de gelos. O material ejetado é provavelmente nitrogênio líquido, poeira, ou componente de metano do subsolo. Uma das imagens da Voyager mostra um jorro chegando a 8 km acima da superfície e se estendendo por 140 km "na direção do vento" (esquerda).

Triton, Io e Venus são os únicos corpos no sistema solar junto com a Terra que sabemos ter atividade vulcânica atualmente (embora Marte claramente tenha tido no passado). É muito interessante notar que os processos vulcânicos ocorrem de maneira diferente no sistema solar exterior. As erupções da Terra e de Venus (e Marte) são de material rochoso e acionados pelo calor interior. As erupções de Io são provavemente de enxofre ou componentes de enxofre  acionados pelas interações gravitacionais com Júpiter. As erupções de Triton são de compostos muito voláteis como nitrogênio e metano acionadas pelo aquecimento sazonal do Sol.

Mais sobre Triton

Questões em aberto

  • Que fonte de energia aciona os "vulcões de gelo"?
  • A Voyager 2 observou Triton brevemente. Como serão suas outras estações?
  • Como Triton foi parar neste estranha órbita?
  • Triton e Pluãto tem uma história comum? Plutão foi uma das luas de Netuno no passado? Ou Triton foi em alguma época um "planeta independente" que foi posteriormente capturado por Netuno?
  • Haverá alguma outra missão para Netuno ainda enquanto formos vivos?

Expresso: Este é o fim da Viagem Expressa. Para visitar o resto dos mundos do sistema solar vá para Visão Geral e siga os links na parte inferior da tela em cada página..

Onde ir em Seguida


Contents ... Netuno ... Proteus ... Triton ... Nereid... Dados ... Astronomia na Web

Copyright © 1994-2017 by William A. Arnett; última atualização: 02/10/2010


Traduzido por Luis Gustavo Gabriel